Skip to the content

Mudar de hábito é mais fácil do que imagina

“Os seres humanos são cheios de hábitos”. Esta é a ideia inicial do trabalho de William James, uma das referências da Psicologia moderna e da   Neurociência social, que analisou, em profundidade, como mudar de hábito graças à plasticidade do cérebro.

Todos temos hábitos, bons ou maus, no nosso dia a dia. No âmbito laboral também, porém, está em nossas mãos transformar os hábitos negativos em positivos.

O que são os hábitos?

Hábito pode ser conceituado como costume; maneira de viver; modo constante de comportar-se e de agir. A psicologia caracteriza o hábito como qualquer comportamento que se repete regularmente ou que requer pouca ou nenhuma razão naquilo que é aprendido e inato.

Os hábitos muitas vezes são involuntários pelo fato de sempre se fazer a mesma coisa, que poderá ser substituída por uma nova ação.

Ainda que passem quase desapercebidos pela naturalidade com que são aplicados, uma investigação da Universidade de Duke aponta que são os hábitos e não as decisões pontuais, os gatilhos de 40% das ações que as pessoas realizam a cada dia. 

Para que servem os hábitos?

Por que você verifica se um e-mail importante é enviado ou sua agenda na primeira hora da manhã? O Professor de Psiquiatria, Neurociência e Psicologia da Universidade da Califórnia, Larry Squire, explica que o cérebro humano tende a criar os hábitos para economizar energia e otimizar o tempo. Em sua pesquisa, comprovou que ao realizarmos uma atividade desconhecida, nas primeiras vezes, são ativados, consideravelmente, os gânglios basais. À medida que se domina a tarefa, esta função se reduz, diminuindo o esforço. Desse modo, se desejamos que se utilize seus mecanismos, o cérebro tentará converter quase todas as rotinas em um hábito, pois assim economizará energia.

Como consequência, a introdução de hábitos no dia a dia das pessoas gera os seguintes efeitos:

  • Simplifica os movimentos requeridos para obter um determinado resultado;
  • Reduz a margem de erro, ao adquirir maior perfeição com a prática;
  • Diminui a fadiga mental ou física dos indivíduos;
  • Permite abaixar a concentração consciente e automatizar a conduta.
  • Melhora a capacidade de corrigir rapidamente erros ou desvios.

É possível mudar de hábitos?

Os hábitos podem ser modificados pelas pessoas, tanto de forma interna como externa. Para Maxwell Maltz, o processo de adaptação dos indivíduos a um novo padrão requer um período de apenas 21 dias, em média, graças à plasticidade do cérebro, isto é, da capacidade de a mente adaptar-se às mudanças, modificar as estruturas físicas do cérebro, incorporando novos circuitos neurais e aceitar as novas pautas de forma gradual como algo natural.  

Assim, para mudar hábitos, é necessário realizar uma ação consciente que nos leve a repetir o comportamento desejado durante um período suficiente para que o cérebro o assuma como a resposta natural.

Alguns hábitos que podem ser mudados no ambiente de trabalho:

1.Fazer tudo ao mesmo tempo - a sensação de agilidade e produtividade causada pela velocidade e quantidade de tarefas executadas, pode ser frustrada frente a qualidade do trabalho produzido. O planejamento e gerenciamento do tempo adequados permitem que as atividades diárias sejam executadas com a precisão e a qualidade necessárias, para que os resultados sejam alcançados, influenciando o sentimento de autoconfiança e de realização. 

2.Dizer sim para tudo - o receio de criar conflitos, de ser rejeitado ou criticado, ou mesmo a falta de habilidades sociais, que nos leva a dizer sim para qualquer pedido que seja feito, podem gerar um enorme sofrimento. Fazer algo contrariado e sem vontade é gastar o tempo que poderia ser dedicado a uma atividade de forma mais efetiva e com melhores resultados. Além disso, isso pode gerar uma autoimagem negativa, como ser visto como uma pessoa passiva, sem atitude, com baixa autoestima e pouca determinação. Falar “não” de maneira apropriada é defender os próprios direitos sem desrespeitar o outro.

3.Deixar para amanhã - quando o “amanhã eu faço” se torna um hábito generalizado, pode provocar consequências que irão refletir em todos os âmbitos da vida, uma vez que tudo fica corrido, o trabalho se acumula e a ansiedade aumenta, pois, enquanto não executamos determinada tarefa, não deixamos de pensar nela.  Evitar este comportamento é essencial para o crescimento pessoal e profissional. Para tanto, é essencial estabelecer prioridades, traçar metas e prazos definidos, não deixar para amanhã o que pode ser feito hoje e encarar as obrigações como algo que trará recompensas. 

4.Não saber lidar com críticas negativas – compartilhar ideias, expor a análise da situação por um prisma diferente ou propor uma solução nova para um velho problema, nos obrigam a correr o risco de ver nossas opiniões ou argumentos rejeitados ou a sofrermos críticas negativas. No entanto, este exercício traz um enorme crescimento. Encarar as críticas como novas possibilidades podem trazer importantes contribuições para a vida.  

Aproveite as dicas e reflita se tem algum hábito que deveria mudar na sua rotina para potencializar sua performance no trabalho. Na sequência, analise como colocar esse bom hábito na sua rotina e monte um calendário da mudança... Todos os dias realize a nova ação/atitude e marque o feito no calendário. Em breve você perceberá que o novo hábito já estará na sua rotina e não precisará ficar tão alerta para realiza-lo. Se esforce para não perder nenhum dia, mas se acontecer recomece por mais 21 dias...  Persevere!